quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Publicado 28/01/2009- Folha da Região


Artigo: Fragmentos de um amor perdido

Edson Maciel
Quarta-feira - 28/01/2009 - 03h01


De tudo ficou um pouco,
Ou do pouco um dia
Descobrimos que ficou tudo.
Pois o coração jamais é mudo,
E o pulsar fala irradia...

Seria o amor a melhor das sinas?
O ultimo beijo,
Dois corpos se abraçando,
Uma lágrima rolando...
Seria o amor a melhor das sinas?

Talvez seja!
Alma que lateja,
Grito que não cala.
Isso é amor?
Amor que de ti exala.

Sim, amor que procuro reter
Em minhas mãos.
Pérola preciosa
De valor incalculável,
Porque vem do coração.

É de tudo um pouco
Sem dúvida e sem razão
Um pouco de graça, singela pirraça
O amor é uma canção.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Em andamento....(De tudo um pouco)



Eu me recordo do seu cheiro de mulher
Teu sorriso lindo...
Ah...eu me recordo
Meu Deus...Que saudade!

(ela)
Recordas de verdade?
Recordas o meu rosto...
E dos meus cabelos negros,
e da boca o gosto?


Edson Maciel e Sylvia Senny

Tarde fria



Hoje , dois de Maio de dois mil e oito

São dezoito horas
Faz frio; ainda a pouco choveu
Tempo fechado...escuro

Caminho pelo corredor
Em direção ao portão
Procuro enganar a dor
Em vão...Em vão...

Caminho pela calçada
Novamente começa achuviscar
Tua imagem respiro ofegante
Ouço tua respiração

Você ali na minha frente
Delírio não...Não...Não é voce
Continuo a caminhar agora mais lento
Os pingos da chuva estão gelados


Edson Maciel

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Pequena Musa

Pequena musa
Caminhando com voce
Mãos dadas...conversamos
Momento mágico...único...não tinha igual

Minha felicidade estava ali
Voce não fazia idéia
Ninguém podia imaginar
Seus passos...seu sorriso...seus pezinhos lindos


Ficava te admirando pequena musa
Rezando...orando desesperadamente
Para aquele momento mágico
Nunca mais terminar


Edson Maciel

Meu livro: Folhas Soltas ( Poesia )

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Declamando- amigos da ALL (ATA)

video

Em andamento..

meu amor ..meu bem querer...
Te quero desde o inicio
Dor que mata aos poucos
Não quero te perder!

Meu Deus, o que estou dizendo?!
Não quero te perder...
Não sei onde está...nem por onde andas
ou se um dia foi minha


(ela) Eu ouço tua voz ao longe
como a sunamita em "cantares",
te procuro nos lugares,
Te procuro na natureza...
Sim, eu parti! Ainda não sei explicar..
Ouvi a voz dos loucos,
Ouvi a voz dos que não sabem amar,
sonho com teus versos...
Inverso é meu lidar!
Oh, amado, não tenho coragem...
Não tenho coragem de voltar.


(Edson Maciel e Sylvia Senny)